©2018 by Guilherme Guimarães Advogados Associados. Proudly created with Wix.com

5 dicas para proteger seus filhos dos riscos da internet

May 7, 2019

 

Quem tem crianças ou adolescentes em casa tem uma preocupação a mais nos dias de hoje: a segurança digital dos pequenos. Conhecidos como geração Alpha, os nascidos a partir de 2010 já chegaram em um mundo digital e – na maioria dos casos – cresceram encarando o smartphone como um acessório indispensável em casa. Hiperconectados, eles navegam pelos canais do YouTube com a mesma facilidade com que seus pais consultavam a lista telefônica.

 

Os efeitos de tanta interatividade e conexão ainda são desconhecidos. E, como sempre, há estudos que mostram os pontos positivos e outros que apontam os prejuízos desse excesso de exposição midiática.

Um fato, porém, é consenso: a necessidade de que os adultos orientem, alertem e monitorem os conteúdos a que essas crianças e adolescentes têm acesso.

 

Segundo o Comitê Gestor da Internet no Brasil, mais de 24 milhões de crianças e adolescentes têm acesso à internet no Brasil e 77% deles assistem a vídeos online. E esses vídeos podem trazer de tudo, desde conteúdos educativos a desafios que apresentam riscos à segurança física ou exposição da intimidade. Até por falta de maturidade, eles geralmente não têm noção dos perigos que o mundo virtual apresenta.

 

Pais, mães e outras pessoas responsáveis pelo cuidado e educação de crianças precisam ficar atentos a algumas questões:

 

1 – Comunicação transparente: o diálogo e a liberdade para esclarecer dúvidas é fundamental para qualquer criança. Proibições apenas geram mais curiosidade. As crianças precisas ver na família a principal referência para seus questionamentos infantis. É fundamental orientar os pequenos sobre os riscos existentes, usando uma linguagem adequada para cada faixa etária. E lembrá-los de que, caso surja alguma situação estranha, diferente ou até mesmo curiosa, os PAIS PRECISAM SER OS PRIMEIROS A SABER.

 

2 – Redes sociais: crianças menores de XX anos não devem ter contas em redes sociais. Os termos de compromisso das redes já costumam fazer esse tipo de exigência, que é facilmente burlada. Caso os pais permitam que a criança tenha perfil na rede, isso deve ser feito de forma monitorada por adultos – que devem inclusive ter o domínio da conta e da senha de acesso. Esse tipo de orientação é válida para qualquer tipo de rede social, Instagram, WhatsApp, Youtube, etc. Explique que na rede social “não falar com estranhos” é lei, sem negociação.

 

3 – Acesso limitado: Plataformas de streaming (Netflix, Spotffy, Deezer, Crunchyrool, etc.) precisam ser controladas por adultos, inclusive com senhas de acesso. É possível bloquear páginas e conteúdos e autorizar apenas aqueles que são seguros.

 

4 – Softwares de segurança: Computadores e dispositivos móveis são equipamentos vulneráveis à atuação de hackers. Por isso, é fundamental contar com recursos de segurança, como antivírus e antiphishing (que inibem o acesso a conteúdos privados e informações pessoais, como senhas).

 

5 – Comportamento: Fique atento a qualquer mudança drástica no comportamento da criança. Crianças vítimas de cyberbullying e outros tipos de ataques tendem a se isolar repentinamente e se sentir culpadas por esse tipo de situação.

 

 

Leia também:

 

Facebook reforça ações de combate à exploração infantil

 

Hackers afirmam ter dados de 120 milhões de contas do Facebook

 

Produção de notícias falsas cresce 43% no Brasil

 

Please reload

Our Recent Posts

LGPD é tema de entrevista na TV Assembleia

November 14, 2019

O ciúme em tempos de internet

November 14, 2019

WhatsApp ganha novas funcionalidades

November 7, 2019

1/1
Please reload

Tags