©2018 by Guilherme Guimarães Advogados Associados. Proudly created with Wix.com

 

 

Torcedores do Clube Athletico Paranaense (CAP) foram vítimas de criminosos virtuais após a final da Copa Sul-Americana. Em função de um vazamento de dados, diversos torcedores que adquiriram ingressos para a final do campeonato, realizada na Arena da Baixada, em Curitiba, no dia 12 de dezembro, perceberam que seus cartões de crédito estavam sendo utilizados sem autorização para compras diversas.

 

O problema movimentou os grupos de WhatsApp dos torcedores do Athletico e a imprensa. Nesta quinta-feira (20), em entrevista ao portal Banda B e ao jornal Tribuna do Paraná, o advogado Guilherme Guimarães, especialista em Direito Digital e Segurança da Informação, esclareceu os problemas envolvendo o time nesse tipo de situação.

 

 

O clube, em nota, tenta minimizar a questão, afirmando que a responsabilidade é da empresa Gateway, que faz a comercialização dos ingressos. Entretanto, se o Athletico foi o canal para a coleta desses dados, também será responsabilizado.

 

Essa e outras questões relativas ao comércio de bens e serviços no ambiente digital estão regulamentadas no Marco Civil da Internet, em vigência desde 2014, e também previstas na Lei Geral de Proteção a Dados Pessoais (LGPDP), que entra em vigor em fevereiro de 2020 e prevê sanções e multas para as empresas e instituições que não fizerem o procedimento correto de coleta e armazenamento de dados pessoais.

 

 

 

Please reload

Our Recent Posts

LGPD é tema de entrevista na TV Assembleia

November 14, 2019

O ciúme em tempos de internet

November 14, 2019

WhatsApp ganha novas funcionalidades

November 7, 2019

1/1
Please reload

Tags