©2018 by Guilherme Guimarães Advogados Associados. Proudly created with Wix.com

 

 

Torcedores do Clube Athletico Paranaense (CAP) foram vítimas de criminosos virtuais após a final da Copa Sul-Americana. Em função de um vazamento de dados, diversos torcedores que adquiriram ingressos para a final do campeonato, realizada na Arena da Baixada, em Curitiba, no dia 12 de dezembro, perceberam que seus cartões de crédito estavam sendo utilizados sem autorização para compras diversas.

 

O problema movimentou os grupos de WhatsApp dos torcedores do Athletico e a imprensa. Nesta quinta-feira (20), em entrevista ao portal Banda B e ao jornal Tribuna do Paraná, o advogado Guilherme Guimarães, especialista em Direito Digital e Segurança da Informação, esclareceu os problemas envolvendo o time nesse tipo de situação.

 

 

O clube, em nota, tenta minimizar a questão, afirmando que a responsabilidade é da empresa Gateway, que faz a comercialização dos ingressos. Entretanto, se o Athletico foi o canal para a coleta desses dados, também será responsabilizado.

 

Essa e outras questões relativas ao comércio de bens e serviços no ambiente digital estão regulamentadas no Marco Civil da Internet, em vigência desde 2014, e também previstas na Lei Geral de Proteção a Dados Pessoais (LGPDP), que entra em vigor em fevereiro de 2020 e prevê sanções e multas para as empresas e instituições que não fizerem o procedimento correto de coleta e armazenamento de dados pessoais.

 

 

 

Please reload

Our Recent Posts

Hackers invadem contas de WhatsApp

December 21, 2019

Programa Instante Digital aborda impacto da LPGD nas empresas

December 15, 2019

Podcast aborda o impacto da LGPD na comunicação

December 5, 2019

1/1
Please reload

Tags