©2018 by Guilherme Guimarães Advogados Associados. Proudly created with Wix.com

Cyberbullying, a nova modalidade de um castigo antigo

 

O cyberbullying é uma nova forma de violência usada principalmente entre os adolescentes, mas em alguns lugares do mundo, o uso das ferramentas tecnológicas para a prática do bulliyng é apenas uma das formas de violência usadas contra crianças e jovens nas escolas em diversas partes do mundo. Segundo o relatório Uma Lição Diária: #STOPViolênciaInfantil nas escolas do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), publicado como parte da campanha mundial #ENDviolence Against Children. O documento se baseia em dados coletados de diferentes estudos e pesquisas entre 2003 e 2017.

 

O estudo aponta que o assédio e as lutas físicas estão presentes na educação de 150 milhões de crianças entre 13 e 15 anos de idade em todo o mundo. Uma realidade preocupante que afeta a aprendizagem e o bem-estar dos estudantes, tanto nos países pobres como nos ricos.

 

“Todos os dias, muitos estudantes, pessoalmente ou através da internet, enfrentam uma série de perigos, de lutas, a pressão para envolvimento com gangues ou intimidação de formas violentas de disciplina, assédio sexual ou violência armada. Estas situações afetam a aprendizagem no curto prazo, e, eventualmente, podem causar depressão, ansiedade e até mesmo levá-los ao suicídio em casos extremos. A violência é uma lição inesquecível que nenhuma criança deve aprender”, destaca o diretor executivo do UNICEF, Henrietta H. Fore, que lembra ainda “a educação é fundamental para a construção de sociedades pacíficas”.

 

O relatório do UNICEF mostrou que um 1 em cada 3 estudantes entre 13 e 15 anos de idade no mundo se sentiu assediado e quase a mesma proporção esteve envolvida em brigas físicas.

 

- 3 em cada 10 estudantes em 39 países industrializados reconhecem ter assediado outros colegas;

 

- Cerca de 720 milhões de crianças em idade escolar vivem em países onde o castigo corporal na escola não é completamente proibido;

 

- Apesar de meninos e meninas correrem os mesmos riscos de bullying, as meninas são mais propensas a serem vítimas de violência psicológica; já as crianças correm maior risco de violências físicas e ameaças;

 

- O relatório indica que a violência derivada do uso de armas, facas ou armas nas escolas continua a exigir vidas. Ele também explica que, em um mundo cada vez mais digital, os stalkers estão espalhando conteúdo violento, prejudicial e humilhante com apenas um clique.

 

Leia também:

 

Grupo de WhatsApp na escola: use com bom senso

 

Filme que aborda cyberbullying ganha prêmio em festival nacional

 

Nos EUA, família vai à Justiça contra escola que não evitou cyberbullying

Please reload

Our Recent Posts

Hackers invadem contas de WhatsApp

December 21, 2019

Programa Instante Digital aborda impacto da LPGD nas empresas

December 15, 2019

Podcast aborda o impacto da LGPD na comunicação

December 5, 2019

1/1
Please reload

Tags